Um oficial de polícia de Nova York que é parte do Esquadrão de Homicídio, e está envolvido em investigações de alto risco!

Criado por Claudio Nizzi em 1988, Nick Raider é uma série de histórias de detetive caracterizada por uma atmosfera assustadoramente realista. É baseado nos casos processuais da polícia, mas contém elementos que remontam a muitos outros estilos narrativos, de investigações inglesas a thrillers de ação e histórias de mistério, ao tiroteio desenfreado até o gênero noir. O único aspecto em comum unindo todos estes estilos diferentes é o protagonista, que quase sempre trabalha com seu parceiro, Marvin Brown. Mas ambos costumam trabalhar juntamente com o Esquadrão de Homicídios inteiro do Distrito Central de Aplicação da Lei de Manhattan. As histórias se situam proeminentemente em Nova York, onde Nick Raider e seus amigos estão constantemente confrontando várias das mais variadas e mutáveis formas de crime. Nick Raider não é um detetive particular, mas um que pertence ao Departamento de Polícia.

Suas investigações começam quando o Distrito Central de Aplicação da Lei, primeiramente, é notificado de um caso de homicídio e, subsequentemente, seguindo a prática hierárquica apropriada, até o caso ser designado a Nick. Os únicos casos em que Nick age antes de que um homicídio foi oficialmente registrado são aqueles que ele é chamado por um amigo ou conhecido. Nick Raider não é um “vingador” ou um oficial de polícia violento que abusa dos suspeitos a força para se confessarem. Nick age de acordo com a lei e com todo o respeito pelos indivíduos, qualquer indivíduo, qualquer que seja a classe social que ele ou ela pertence. Nick pode se enervar, às vezes, é claro, mas ele segue seu instinto, ele nunca vai agir agressivamente contra alguém que não merece tal tratamento. Nick Raider não é tímido com as mulheres, mas também não é um playboy. Ele acha fácil e natural ter relacionamentos com o sexo oposto. Ele já flertou com muitas garotas e algumas vezes já se envolveu com mulheres perigosas, mas hoje em dia é perfeitamente feliz em seu relacionamento com a repórter Violet McGraw.

Realismo nunca é esquecido em Nick Raider. A série é extremamente rigorosa tanto com seus temas quanto com os roteiros. A psicologia dos personagens, sejam eles bons ou maus, atendem a precisos requerimentos realistas. Em cada álbum, o mistério é resolvido de maneira lógica e absolutamente convincente.

Nick Raider em essência é um personagem positivo. Ele é um ítalo-americano de terceira geração que teve uma juventude rebelde e entrou na força de polícia por ele sentir uma vontade irrepreensível de ficar ao lado da lei e honrar a memória de seu pai, que também era oficial de polícia, mas era um homem derrotado pela vida. O conceito de Nick sobre o trabalho de detetive é totalmente idealista.  Enquanto ele está bem atento que um Departamento de Polícia pode ser um antro de inquietude e corrupção (e ele próprio com muitas experiências pessoais amargas deste tipo), ele persegue firmemente seu ideal de honestidade total. Essencialmente feliz e otimista, ele pode ter conflitos de consciência ou momentos que se sente para baixo como qualquer outro ser humano, mas ele sempre encontra uma forma de superá-los ao usar toda sua força de caráter e o elevado ideal de sua própria missão. Descomprometido e incorruptível, ele costuma a trocar farpas com alguns superiores (exceto pelo velho tenente Arthur Rayan), e essa é a razão o por que, mesmo depois dele ter resolvido muitos casos com sucesso, ele continua sendo apenas um simples detetive.

Fisicamente ele é um tanto quanto bonito e veste roupas descoladas, mas casuais, sempre com sua jaqueta safari acima de uma camisa, jeans e tênis, sendo que essas são as roupas que o permitem se mover com agilidade e rapidez. Ele dirige um Pontiac Firebird (com o número da placa sendo NYC 777), no qual ele corre em arriscadas perseguições, e a arma em seu coldre é uma Colt 38 Special. O mais elevado sentimento de completude que Nick sente está na sua profunda amizade com seus companheiros policiais do esquadrão, e ele daria sua vida sem pestanejar para poder salvar a deles.

Texto traduzido por Antonio Tadeu, diretamente do site da Sergio Bonelli Editore.

E você já conferiu as novas aventuras que estão sendo publicadas aqui no Brasil? Então corre no ISSUU e dá uma olhada! Clique aqui.

Facebook
Twitter
RSS
Google+
http://mythologico.com.br/minibio-meu-nome-e-nick-raider/
Joana Rosa Russo
joanarrt@gmail.com

2 thoughts on “[MINIBIO] – Meu nome é Nick Raider”

  1. Com todo respeito aos também excelentes Dylan Dog, Nathan Never e Tex, meu Bonelli favorito é Nick Raider.
    Sei que a Joana precisa manter aquela respeitosa neutralidade de ombudsman, mas acho que ela concorda comigo 🙂

    1. MEU DEUS QUE SAIA JUSTA! Poxa Luciano assim fica difícil não concordar! Digamos que eu… Bem, eu concordo em parte… ha, ha, ha!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *